Poesia

Dores ocultas

Ele sorria,
Contando história,
Empolgado,
Descontraído.

O que ninguém via
Era o poema inacabado,
O cansaço de ser,
O suspiro de esgotado.

O que ninguém via 
Era a mensagem que deixou para depois
O desejo que ficou para depois
O compromisso que adiou – outra vez.

Sua voz cada vez mais alta, 
Tentando calar o grito interno,
O pensamento acelerado,
O choro de dentro.

Sua voz cada vez mais baixa,
Palavras minguadas,
Sussurro…
Alguém consegue ouvir?

Setembro passou,
E ele seguiu
Com suas dores ocultas, disfarçadas…
Alguém o alcançará para segurar sua mão?

Devocional

Inquietude

No vai e vem dos pensamentos,
das perguntas que faço,
daquilo que não faz sentido,
dos sonhos ainda não realizados,
dos planos frustrados,
dos receios que se apresentam,
das possibilidades que escapam,
meu coração se inquieta.

E de tão confuso e agitado,
quase não vejo:
a saída,
o futuro,
a mão que se estende,
a esperança que acena.

Mas é neste lugar de inquietude,
que ouço Sua voz ainda mais forte a me dizer:
“Descanse, 
Estou aqui com você”.

Meu coração ouve,
E eu me aquieto.

Reflexão

A semente

Uma semente que brotou

Num dia distraída, andando por aí, alguém gentilmente se aproximou: “Ei, tenho um presente para você”. Desconfiada, perguntei: “Mas por que para mim?”. Ele, sorriso no rosto, me respondeu: “Porque assim desejei”.

Confiante, minhas mãos estendi. E ao sentir as suas, delicadamente pousando sobre as minhas, agradeci. Seria esse o presente? Seu toque? Mas antes que eu pudesse perguntar, ele partiu.

Ainda surpresa pelo encontro, olhei para as minhas mãos e ali estava uma semente inesperada. Tão pequenininha, que poderia até passar despercebida. Tão simples, que poderia facilmente ser desprezada. Mas ao lembrar das gentis mãos que a me deram, senti que se tratava de algo especial, único. A chamei de VIDA.

Por um tempo, pensei em guardá-la. Não queria correr o risco de perdê-la. Mas seria esse o sentido de tê-la?

Decidi plantá-la. Com cuidado, escolhi um lugar onde ela pudesse crescer protegida e se sentisse acolhida, como em FAMÍLIA. Um lugar seguro onde pudesse firmar suas RAÍZES, viver seus valores.

Sem pressa, preparei o solo. Revolvi a terra, retirando as sujeiras e as pedras. Deixando espaço para que ela pudesse crescer LIVRE. Coloquei adubo, para que suas necessidades fossem supridas e ela pudesse crescer FORTE.

A VIDA estava plantada!

Não era possível ainda saber no que ela se transformaria. Mas cheia de expectativa e alegria, aguardei.

O solo fielmente reguei: com água, com palavras de carinho e de incentivo. Outras vezes, era o próprio céu que a refrescava. Mas por alguns dias, parecia que nada iria acontecer… esperar era tudo o que me restava fazer.

Foi então que, ao calar de uma noite, sussurrei para a semente: “ei, você está aqui para cumprir uma missão”. Ao amanhecer, o primeiro broto estava lá. Descobrir seu PROPÓSITO a fez despertar.

Dia a dia, timidamente ela crescia. E de mim, todo o cuidado ainda requeria. Com paciência, tirava as ervas daninhas, enganosas, que teimosamente apareciam, para que assim ela pudesse crescer VERDADEIRA, tal como foi feita.

Fazia-lhe companhia, contava como tínhamos nos encontrado. Suas folhas, verdes e leves, balançavam com a brisa. Acredito que era a forma dela me dizer que também sentia saudade daquele dia, daquele toque.

Então, ela cresceu, forte e saudável. Quem olhava para ela, reconhecia suas origens, que fora criada pelas mãos mais gentis, e sorria.

E um dia, quando achava que sua missão estava concluída, ela FLORESCEU, trazendo ainda mais beleza e alegria para quem cruzava seu caminho.

Olhei para os céus e agradeci: “Ei, obrigada pelo presente, pela semente chamada vida!”