Poesia

O incontrolável

Folhas ao vento

Por que sofrer tentando controlar
O que está fora
Do alcance,
Tão distante,
Quando a todo instante,
Surge o inesperado,
O inevitável,
O que é incontrolável?

Afinal, seria mesmo possível controlar
Esse emaranhado
De caminhos,
Curvas,
Rotas confusas,
O destino,
A próxima parada,
Se haverá saída?

Como querer controlar
Se haverá sol,
Chuva,
Brisa,
Vento,
Bom tempo,
Como controlar
O tempo?

Esse tempo
Destemido,
Que vai indo,
Que já foi,
Que não enrola,
Que não volta,
Que escapa,
Que nem chega?

Como querer controlar
O sentimento que surge,
Envolve,
Esse mistério,
Por quem se apaixona,
Se também será amado,
Se será eterno,
Se será mesmo amor?

Como querer controlar
O desencontro,
Se haverá outra chance,
Quem vai partir,
Se um dia voltará,
A despedida,
O desenrolar da vida,
O suspiro final?

Ah, quanta inocência,
Que ilusão,
De algum dia achar,
Considerar,
Que tanta coisa,
Que tanta situação,
Por mais simples que pareça,
Poderia controlar.

(publicado em 2017 e atualizado em 2022)

Reflexão

Sobre a corda bamba

Sobre a corda bamba estou, braços estendidos sem nada tocar. O desafio é meu, o medo é meu, o equilíbrio também é meu.

O vento da incerteza procura me abalar, miragens tentam me distrair. Medos me ameaçam e as derrotas do passado embaçam a visão.

Voltar parece ser tão mais simples, seguro, fácil. Cair até parece ser menos doloroso do que seguir. Mas em continuar está a verdadeira razão e sentido da vida, mesmo quando não vejo no horizonte o ponto de chegada.

Às vezes, nessa corda bamba da vida, o desequilíbrio é inevitável e a queda é iminente. Os braços se estendem desesperados por encontrar uma mão, alguém para compartilhar o desafio, firmar os pés e expulsar o medo.

E encontro.

E assim, percebo que não estou sozinha. Que esta jornada pode ser mais leve, tranquila e até divertida. E que se eu quiser, o vento também pode ser brisa refrescante. Se eu mudar de perspectiva, há paisagens para me encantar. Se eu refletir, as incertezas são a prova de que tudo é possível. E se eu ponderar, foram as derrotas do passado que me prepararam e me tornaram mais forte para viver esse momento.

A corda continua bamba e ainda não enxergo ao longe. Mas ao olhar para o lado, lá está o sorriso confiante e os olhos doces que me dizem com segurança que valerá a pena ir até o final.

NEle, encontro o equilíbrio que preciso para continuar.

(publicado em 2011, atualizado em 2021)

Reflexão

A semente

Uma semente que brotou

Num dia distraída, andando por aí, alguém gentilmente se aproximou: “Ei, tenho um presente para você”. Desconfiada, perguntei: “Mas por que para mim?”. Ele, sorriso no rosto, me respondeu: “Porque assim desejei”.

Confiante, minhas mãos estendi. E ao sentir as suas, delicadamente pousando sobre as minhas, agradeci. Seria esse o presente? Seu toque? Mas antes que eu pudesse perguntar, ele partiu.

Ainda surpresa pelo encontro, olhei para as minhas mãos e ali estava uma semente inesperada. Tão pequenininha, que poderia até passar despercebida. Tão simples, que poderia facilmente ser desprezada. Mas ao lembrar das gentis mãos que a me deram, senti que se tratava de algo especial, único. A chamei de VIDA.

Por um tempo, pensei em guardá-la. Não queria correr o risco de perdê-la. Mas seria esse o sentido de tê-la?

Decidi plantá-la. Com cuidado, escolhi um lugar onde ela pudesse crescer protegida e se sentisse acolhida, como em FAMÍLIA. Um lugar seguro onde pudesse firmar suas RAÍZES, viver seus valores.

Sem pressa, preparei o solo. Revolvi a terra, retirando as sujeiras e as pedras. Deixando espaço para que ela pudesse crescer LIVRE. Coloquei adubo, para que suas necessidades fossem supridas e ela pudesse crescer FORTE.

A VIDA estava plantada!

Não era possível ainda saber no que ela se transformaria. Mas cheia de expectativa e alegria, aguardei.

O solo fielmente reguei: com água, com palavras de carinho e de incentivo. Outras vezes, era o próprio céu que a refrescava. Mas por alguns dias, parecia que nada iria acontecer… esperar era tudo o que me restava fazer.

Foi então que, ao calar de uma noite, sussurrei para a semente: “ei, você está aqui para cumprir uma missão”. Ao amanhecer, o primeiro broto estava lá. Descobrir seu PROPÓSITO a fez despertar.

Dia a dia, timidamente ela crescia. E de mim, todo o cuidado ainda requeria. Com paciência, tirava as ervas daninhas, enganosas, que teimosamente apareciam, para que assim ela pudesse crescer VERDADEIRA, tal como foi feita.

Fazia-lhe companhia, contava como tínhamos nos encontrado. Suas folhas, verdes e leves, balançavam com a brisa. Acredito que era a forma dela me dizer que também sentia saudade daquele dia, daquele toque.

Então, ela cresceu, forte e saudável. Quem olhava para ela, reconhecia suas origens, que fora criada pelas mãos mais gentis, e sorria.

E um dia, quando achava que sua missão estava concluída, ela FLORESCEU, trazendo ainda mais beleza e alegria para quem cruzava seu caminho.

Olhei para os céus e agradeci: “Ei, obrigada pelo presente, pela semente chamada vida!”