Poesia

Mãe, amor infinito

Uma mãe segurando sua filha nos braços

MÃE
Você é a origem,
o primeiro encontro,
sangue que pulsa junto,
vida que se estende.

Você é colo,
olho no olho,
afago, abraço apertado,
beijo que deixa marca de batom.

Você é vigília
nas noites de febre,
nas madrugadas de festa,
a que espera, a última a dormir.

Você é amiga,
ouvinte,
cúmplice,
confidente.

Você é direção,
conselho,
bronca,
outra chance.

Você é culpa,
medo, dúvida,
choro,
recomeço.

Você é força,
calmaria,
segurança,
fé inabalável.

Você é memória,
enraizada no coração,
sempre viva,
sempre presente.

Mãe, você é esse
amor tão lindo:
infinito,
o primeiro,
o que não terá fim.

Oração

Oração pelas crianças

As crianças estão aqui.
E quando estão,
O meu dia fica mais colorido,
E a minha alma mais leve.

As crianças estão aqui,
E a bagunça delas dá ritmo ao meu tempo,
Expande o meu espaço,
Move meu passos – para a criança que eu fui, para o adulto que quero ser.

É aqui, com elas, que minha alma sorri.
Em cada gargalhada alta,
A cada história imaginada,
Em cada descoberta que fazem seus olhos brilharem.

As crianças estão aqui,
E ao olhar para elas, vejo todas as outras.
E levanto minha voz Àquele que disse:
“Deixai os pequeninos virem até mim”.

Oro para que tenham acesso à educação, à saúde, ao lar, ao pão.
Que cresçam em um ambiente seguro, onde possam se desenvolver em todas suas capacidades.
Que possam ser livres para brincar, imaginar e sonhar.
Que sejam inspiradas, instigadas, encorajadas.
Que tenham suas feridas e traumas curados.
Que ao crescerem, possam manter a curiosidade, a empatia, o destemor, a alegria, a espontaneidade, o brilho, os sonhos que possuem.

Hoje, oro para que nossas crianças sejam cuidadas, protegidas, respeitadas e amadas. Todo dia.

Amém.

Reflexão

A semente

Uma semente que brotou

Num dia distraída, andando por aí, alguém gentilmente se aproximou: “Ei, tenho um presente para você”. Desconfiada, perguntei: “Mas por que para mim?”. Ele, sorriso no rosto, me respondeu: “Porque assim desejei”.

Confiante, minhas mãos estendi. E ao sentir as suas, delicadamente pousando sobre as minhas, agradeci. Seria esse o presente? Seu toque? Mas antes que eu pudesse perguntar, ele partiu.

Ainda surpresa pelo encontro, olhei para as minhas mãos e ali estava uma semente inesperada. Tão pequenininha, que poderia até passar despercebida. Tão simples, que poderia facilmente ser desprezada. Mas ao lembrar das gentis mãos que a me deram, senti que se tratava de algo especial, único. A chamei de VIDA.

Por um tempo, pensei em guardá-la. Não queria correr o risco de perdê-la. Mas seria esse o sentido de tê-la?

Decidi plantá-la. Com cuidado, escolhi um lugar onde ela pudesse crescer protegida e se sentisse acolhida, como em FAMÍLIA. Um lugar seguro onde pudesse firmar suas RAÍZES, viver seus valores.

Sem pressa, preparei o solo. Revolvi a terra, retirando as sujeiras e as pedras. Deixando espaço para que ela pudesse crescer LIVRE. Coloquei adubo, para que suas necessidades fossem supridas e ela pudesse crescer FORTE.

A VIDA estava plantada!

Não era possível ainda saber no que ela se transformaria. Mas cheia de expectativa e alegria, aguardei.

O solo fielmente reguei: com água, com palavras de carinho e de incentivo. Outras vezes, era o próprio céu que a refrescava. Mas por alguns dias, parecia que nada iria acontecer… esperar era tudo o que me restava fazer.

Foi então que, ao calar de uma noite, sussurrei para a semente: “ei, você está aqui para cumprir uma missão”. Ao amanhecer, o primeiro broto estava lá. Descobrir seu PROPÓSITO a fez despertar.

Dia a dia, timidamente ela crescia. E de mim, todo o cuidado ainda requeria. Com paciência, tirava as ervas daninhas, enganosas, que teimosamente apareciam, para que assim ela pudesse crescer VERDADEIRA, tal como foi feita.

Fazia-lhe companhia, contava como tínhamos nos encontrado. Suas folhas, verdes e leves, balançavam com a brisa. Acredito que era a forma dela me dizer que também sentia saudade daquele dia, daquele toque.

Então, ela cresceu, forte e saudável. Quem olhava para ela, reconhecia suas origens, que fora criada pelas mãos mais gentis, e sorria.

E um dia, quando achava que sua missão estava concluída, ela FLORESCEU, trazendo ainda mais beleza e alegria para quem cruzava seu caminho.

Olhei para os céus e agradeci: “Ei, obrigada pelo presente, pela semente chamada vida!”