Poesia

Para a irmã caçula

Lembro-me como se fosse ontem.

Mãe contando que teria um bebê,
eu sem saber bem o porquê,
berço montado, roupinhas lavadas,
Tudo sendo preparado.

Irmãos olhando lista para escolher nome
(para um menino),
Mãe olhando genealogia bíblica para escolher nome
(para um menino).

Pai levando mãe para o hospital,
eu ficando para trás, em casa de vizinha,
Pai contando, no portão: nasceu, É UMA MENINA.
Mas e agora, que nome colocar?

Alanisa, ruim para chamar,
imagina quando precisar brigar?
Fica Alaisa, mais simples, diferente,
parece até nome de gente chique, importante.

Bebê tão pequenininha,
Que chora, que sorri engraçadinha,
Bebê tão frágil, enquanto via Chaves, meu Deus, deixei ela cair.
Mãe acode, me acalma, ela vai ficar bem, volte a assistir!

Bebê que dá os primeiros passos,
Minha bonequinha de brincar falante,
Eu me apego a ela, posso levar junto?
Ela se apega a mim, posso ir junto?

Tempo que voa!
Arrumar cabelo, buscar na escola.
Tempo que voa!
Emprestar roupa, ser companhia para qualquer lugar.

Tempo que voa!
Brincar, brigar, fazer drama, a gente se acertar.
Tempo que voa!
Uma pela outra, juntas qualquer coisa enfrentar.

E assim, juntas
Compartilhar a vida,
Realizar sonhos,
Chorar e encontrar conforto,
Nunca ter medo de expor quem somos,
Confiar nesse amor tão profundo que temos.

Hoje,
Minha Isa,
Ainda minha caçulinha,
Ainda mais linda, forte, determinada
Ainda mais parecida com Cristo,
Minha melhor amiga,
Para sempre, minha pessoa.

Eu te amo.
Por você, eu vou.
Por você, eu fico.
Por você, eu luto.
Você me salva de mil maneiras.
E eu te “salvaria” outras mil vezes mais.

*Uma declaração de amor para a irmã mais nova que completou 27 anos.

Poesia

Mãe, amor infinito

Uma mãe segurando sua filha nos braços

MÃE
Você é a origem,
o primeiro encontro,
sangue que pulsa junto,
vida que se estende.

Você é colo,
olho no olho,
afago, abraço apertado,
beijo que deixa marca de batom.

Você é vigília
nas noites de febre,
nas madrugadas de festa,
a que espera, a última a dormir.

Você é amiga,
ouvinte,
cúmplice,
confidente.

Você é direção,
conselho,
bronca,
outra chance.

Você é culpa,
medo, dúvida,
choro,
recomeço.

Você é força,
calmaria,
segurança,
fé inabalável.

Você é memória,
enraizada no coração,
sempre viva,
sempre presente.

Mãe, você é esse
amor tão lindo:
infinito,
o primeiro,
o que não terá fim.

Poesia

O incontrolável

Folhas ao vento

Por que sofrer tentando controlar
O que está fora
Do alcance,
Tão distante,
Quando a todo instante,
Surge o inesperado,
O inevitável,
O que é incontrolável?

Afinal, seria mesmo possível controlar
Esse emaranhado
De caminhos,
Curvas,
Rotas confusas,
O destino,
A próxima parada,
Se haverá saída?

Como querer controlar
Se haverá sol,
Chuva,
Brisa,
Vento,
Bom tempo,
Como controlar
O tempo?

Esse tempo
Destemido,
Que vai indo,
Que já foi,
Que não enrola,
Que não volta,
Que escapa,
Que nem chega?

Como querer controlar
O sentimento que surge,
Envolve,
Esse mistério,
Por quem se apaixona,
Se também será amado,
Se será eterno,
Se será mesmo amor?

Como querer controlar
O desencontro,
Se haverá outra chance,
Quem vai partir,
Se um dia voltará,
A despedida,
O desenrolar da vida,
O suspiro final?

Ah, quanta inocência,
Que ilusão,
De algum dia achar,
Considerar,
Que tanta coisa,
Que tanta situação,
Por mais simples que pareça,
Poderia controlar.

(publicado em 2017 e atualizado em 2022)