Poesia

A conversa mais importante

O dia começa e antes que eu sinta o sol, sinto o peso de todos os compromissos que me esperam.

O dia segue nessa correria, e me acompanha a certeza de que o tempo nunca será o bastante para tudo que preciso ou quero fazer.

Então, mais um dia vai chegando ao fim. Enquanto aguardo o descanso, dou conta das poucas e apressadas palavras que trocamos ao longo do dia. Algumas delas foram até meio inconscientes, só por hábito.

Percebo, envergonhada, que já não sei quando foi a última vez que tivemos uma conversa de verdade.

Aquela conversa em que, tranquilamente, conto sobre meu dia, o que me fez sorrir, o que me entristeceu ou entristeceu a ti. Sobre as pessoas que fizeram parte desse dia, e como desejo que cuide delas.

Aquela conversa em que, sem reservas, eu falo sobre todas as coisas que estão aqui dentro: anseios, medos, preocupações, dúvidas. Sobre os sonhos, dos simples aos que insisto em chamar de impossíveis.

Como uma fonte, as palavras jorram, se atropelam, se bagunçam, mas sei que uma a uma são compreendidas. Até aquelas que não consegui dizer.

Ah, como é maravilhoso saber que a tudo isso, você ouve. Entre milhões de pessoas, no meio de tantas outras conversas, sei que nesse momento, você ouve a mim!

E então, com tanta graça e amor, responde. A voz mais doce e suave que conheço. A mais forte e poderosa que temo.

Me responde com exortações, promessas, testemunhos lidos da Sua Palavra. Às vezes, me responde trazendo à memória uma canção.

Há vezes também que parece nada responder, apenas há​ o silêncio aquecendo meu coração. Mas ainda assim, é um sussurro que fala ao mais profundo de mim, de uma forma que a voz mais alta jamais poderia.

Ah, como preciso de nossas conversas.

São nessas conversas que eu me aquieto. Que as ansiedades fogem. Que o medo desaparece. Que as preocupações se provam​ desnecessárias.

É quando eu lembro por onde já caminhamos. Pela presença nos momentos difíceis, aqueles que pensei que não suportaria. Pelas providências que tanto precisava e por muitas que nem imaginava. Pelas lágrimas enxugadas.

São nessas conversas que eu vejo um pouco mais além. Que olho para o que é eterno. Para as coisas que ainda virão. Pelas promessas que se cumprirão. Pela certeza de que haverá um tempo em que ao conversarmos, oh, Jesus, será face a face.

Ah, meu amigo. Me perdoe porque hoje eu escolhi tantas outras coisas, e não a melhor parte. Por ter procurado tantas pessoas para conversar, e não antes a Ti. Por ter demorado tanto a me sentar aos teus pés e te ouvir falar. Por ter demorado a inclinar minha cabeça em teu peito.

Ah, meu amigo Jesus, obrigada porque agora eu estou aqui. E Tu estás aqui. E esse é o momento de termos nossa conversa.

Poesia

Um aprendizado com meu pai sobre o valor do trabalho

\”Era 1000 vezes melhor quando eu estava trabalhando. 1000 vezes melhor\”.

Autor dessa frase é meu pai, 70 anos. Ele trabalhou a vida inteira, e está \”parado\” há cerca de 5 anos.

Bem, na verdade, ele está aposentado há 20 anos. Mas mesmo aposentado, ele continuou trabalhando por mais 15. Só parou mesmo quando foi dispensado pelo seu empregador.

O trabalho dele? Lavador de caminhão. Subindo. Agachando. Graxa. Cheiro de óleo. Mãos e braços sempre arranhados. Roupas remendadas.Comida esquentada. Trabalho que agravou seu problema auditivo. Suas dores na coluna.

Trabalhou debaixo de chuva, debaixo de sol. Segunda a sábado. Muitas férias vendidas.
Muitas vezes ele foi humilhado. Por clientes. Por colegas. Pelos próprios empregadores.

Mas ele plantou uma árvore no fundo do seu local de trabalho. Ela ainda está lá.
E ele tratou as pessoas bem. Fez clientes de amigos. Fez brincadeiras para colher sorrisos.
E durante todos os anos (longos) que trabalhou, nunca chegou em casa reclamando. Dizendo que estava estressado. Que não aguentava mais.

Em nenhuma manhã desses anos (longos), fez hora na cama. Fechou a cara. Saiu de casa batendo o pé.

Sabe, meu pai é um cara esperto. Criativo. Inventor. Engenheiro. Sabe das coisas. E foi nesse trabalho \”pesado\” que ele serviu as pessoas, serviu a Deus, serviu a família. Nunca nos deixou faltar nada. E isso é o que um trabalho digno faz!

E esse valor ao trabalho, ele sempre passou para mim e para os meus irmãos. Algo que buscamos levar com a gente. Mas que muitas vezes esquecemos.

Meu pai tem orgulho dos filhos. Sempre que pode, ele diz isso. Tem orgulho dos 4 filhos terem feito faculdade. De dois filhos já terem casado, terem suas casas, suas famílias. De duas filhas terem atravessado o oceano para realizar um sonho, conhecer outro país, estudar.

E como eu sempre digo: ele está muito enganado. Somos nós quem temos orgulho dele.
Hoje não é aniversário de papai (tbm conhecido como vô pithico).

É que ele me disse aquela frase (do começo do texto) ontem pela manhã. E ela ficou por aqui, recuando no meu coração, me fazendo pensar, refletir, considerar…e agradecer.

\”O que tiveres que fazer, que faça brilhar\” – pai

\”Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças\” – Provérbios 9.10


(reflexão de 11/12/2015)

Poesia

Pai, será que você se lembra?

Pai, será que você se lembra?

Porque eu sim.

Lembro a primeira vez que você ouviu sobre minha existência. Você se sentiu confuso, com medo, e um pouco apavorado. Mas também sentiu alegria. E sentiu um pouquinho do amor que logo viraria um montão.

Eu também me lembro quando você me viu pela primeira vez. Era só uma imagem escura. Mas você ficou lá, revirando a imagem, tentando me encontrar e suspirando aliviado ao reconhecer minhas mãozinhas.

E então, nos conhecemos. Você estava com os olhos molhados. E sorria. E olhou para aquela guerreira, que desde sempre foi tudo pra mim, com tanto amor e devoção, que eu soube que poderia confiar em você. 

Confesso que naqueles primeiros dias e semanas, eu não me importava muito com você. Mas logo comecei a procurar, de olhos arregalados, por aquele que tinha um sorriso bobo. E que tinha um colo desajeitado, mas sempre quente e protetor.

E com o tempo fui entendendo o seu papel na minha história. 

Talvez o primeiro tenha sido o papel de anjo. Você me observando enquanto eu dormia. Você me ninando, cantando baixinho para eu me acalmar. Você sempre por perto, mesmo quando não sabia muito bem o que fazer comigo. Eu me lembro, sabia?

Também me lembro das brincadeiras no chão. E das brincadeiras no ar, mãezinha sempre dizendo: cuidado. 

Lembro da cabana improvisada com lençol, do banho de mangueira no quintal, de brincar de dirigir seu carro, de fazer muito barulho, mesmo quando estava na hora de fazer silêncio. Você sendo rei, sendo cavalheiro, sendo palhaço, sendo dragão, sendo urso. Sendo meu amigo.

Lembro das histórias antes de dormir. As de fadas, de bicho falante, de festa no céu.  E as de bruxas e bicho papão, mas essas baixinho, sem mãezinha ouvir. 

Lembro quando você me levava até o bar da esquina e comprava uma tubaína para dividirmos. E eu tentando me equilibrar no balcão. E também lembro de você me levando até o parquinho e me trazendo de volta para casa, às vezes de joelhos ralados, mas sempre feliz.

Lembro quando você amarrava meus calçados. E quando abria o refrigerante. E quando no calor, sentados na escada, descascava cana para mim. E também quando descascava laranja, me dando a partezinha de cima, a minha preferida.

Lembro de você me dando pastel antes do almoço e sorvete quando o tempo estava frio. Talvez tenha sido assim que descobri seu papel de cúmplice e de que a vida não precisa ser levada tão a sério.

Lembro da sua impaciência com minhas birras, e da sua paciência quando a birra era com mãe. 

Lembro das broncas, terríveis e duras. E lembro do coração mole, que se derretia quando eu corria para um abraço, com um pedido de desculpa ou apenas cara de choro.

Lembro de como foi divertido convencer mãezinha que dávamos conta de um cachorro. E de você me levando eufórica pelas mãos, e depois, me deixando livre pra escolher meu novo amiguinho.

E sabe esta cena? Você me levando pelas mãos e no momento certo me deixando seguir e decidir 
meu caminho? Ah, quantas vezes ela se repetiu! 

Lembro também das mãos segurando levemente a bicicleta, mesmo quando eu dizia que estava com medo. E das mãos firmes me segurando ao entrar no mar, mesmo quando eu dizia que era seguro.

Lembro da ajuda em matemática e você indo consultar, meio sem graça, qual a capital de algum estado. Lembro de você me explicando (ou inventando) porque o céu é azul, porque eu não podia alcançar as estrelas, porque eu precisava dizer adeus a vózinha.

E mais tarde (como o tempo passa rápido!), você me explicando sobre relacionamentos, sobre política, sobre a vida, sobre o trabalho, sobre a fé.

Sempre exercendo tão bem esse papel de professor, misturado ao de conselheiro. Alguém que sabe das coisas, mas que sente prazer em ver eu descobrindo por mim mesma.

Ah, paizinho, de quanta coisa eu me lembro!

Lembro do seu orgulho com minhas conquistas. Da sua preocupação com minhas tristezas. Da sua compreensão com minhas escolhas. Da sua angústia com meus erros. 

Lembro do seu incentivo e apoio. Da sua alegria, pura e simples. Do seu humor. E do seu amor, tão grande. 

E continuarei lembrando. 

E quando você não mais lembrar, não se preocupe. Bem pertinho dos seus ouvidos e segurando suas mãos, contarei a você minhas lembranças. E de como sou grata a Deus por você exercer o papel que mais preciso: a de meu pai.

Ps.: Muitas das lembranças aqui compartilhadas são reais, são minhas. Meu paizinho, de fato, preencheu a minha infância de bons momentos, e hoje, eu já adulta, continua sendo assim. Ele continua preenchendo minha vida de ensino, de exemplo, de cuidado, de amor. Eu só tenho a agradecer ao Pai Eterno pelo pai daqui ❤