Poesia

As promessas que eu fiz


Prometi que não ligaria mais para aqueles que não me ligam
Que não me importaria com aqueles que não se importam
E nem procuraria por quem não quer ser encontrado.

Prometi que jogaria fora os rascunhos passados
Bilhetes rasurados e amassados,
Cheios de palavras que não fazem mais sentido 
(mas por que será que ainda os guardo?)

Prometi que respeitaria o seu lado
Que entenderia seu caminho 
E apoiaria suas decisões.

Prometi que não guardaria os pedaços, 
Que tiraria sua foto do meu quarto
E que não escreveria cartas sem destino.

Prometi que não sorriria ao ouvir seu nome,  
Que o coração não bateria acelerado ao ouvir o telefone,
E que não ouviria mais a música que conta tão bem nossa história.

Prometi que não pensaria em você
E que se pensasse, não sofreria
E que se sofresse, não choraria.
(e você sabe que eu só choro depois de ser muito forte!)

Promessas que tentei, 
Desesperadamente cumprir.
E nem preciso dizer que não consegui…

Deve ser por causa daquela que fiz há tanto tempo.
E é tão fácil cumprir: a de sempre amar você. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s