Poesia

O incontrolável

Folhas ao vento

Por que sofrer tentando controlar
O que está fora
Do alcance,
Tão distante,
Quando a todo instante,
Surge o inesperado,
O inevitável,
O que é incontrolável?

Afinal, seria mesmo possível controlar
Esse emaranhado
De caminhos,
Curvas,
Rotas confusas,
O destino,
A próxima parada,
Se haverá saída?

Como querer controlar
Se haverá sol,
Chuva,
Brisa,
Vento,
Bom tempo,
Como controlar
O tempo?

Esse tempo
Destemido,
Que vai indo,
Que já foi,
Que não enrola,
Que não volta,
Que escapa,
Que nem chega?

Como querer controlar
O sentimento que surge,
Envolve,
Esse mistério,
Por quem se apaixona,
Se também será amado,
Se será eterno,
Se será mesmo amor?

Como querer controlar
O desencontro,
Se haverá outra chance,
Quem vai partir,
Se um dia voltará,
A despedida,
O desenrolar da vida,
O suspiro final?

Ah, quanta inocência,
Que ilusão,
De algum dia achar,
Considerar,
Que tanta coisa,
Que tanta situação,
Por mais simples que pareça,
Poderia controlar.

(publicado em 2017 e atualizado em 2022)

Poesia

Dores ocultas

Ele sorria,
Contando história,
Empolgado,
Descontraído.

O que ninguém via
Era o poema inacabado,
O cansaço de ser,
O suspiro de esgotado.

O que ninguém via 
Era a mensagem que deixou para depois
O desejo que ficou para depois
O compromisso que adiou – outra vez.

Sua voz cada vez mais alta, 
Tentando calar o grito interno,
O pensamento acelerado,
O choro de dentro.

Sua voz cada vez mais baixa,
Palavras minguadas,
Sussurro…
Alguém consegue ouvir?

Setembro passou,
E ele seguiu
Com suas dores ocultas, disfarçadas…
Alguém o alcançará para segurar sua mão?

Poesia

Em meio às palavras

Em meio às palavras compartilhadas, um lugar de encontro, de papo à toa, de conversa profunda.

Em meio às palavras barulhentas, um lugar de história, de riso, de brincadeira.

Em meio às palavras não ditas, um lugar de silêncio, de reflexão, de olho no olho.

Em meio às palavras regadas por lágrimas, um lugar de atenção, de escuta, de abraço.

Em meio às palavras sinceras, este lugar de amor, de perdão, de recomeço.

Em meio às palavras, nós dois e tudo o que não precisamos dizer.