Poesia

Em Obras

Quem já passou por uma construção ou reforma de casa sabe o quanto trabalho dá. É preciso fazer um bom planejamento, investir recursos, dispor tempo, comprar produtos de qualidade e escolher bem as pessoas que farão o trabalho.

Às vezes, todo o processo de construção ou reforma leva mais tempo do que imaginávamos, mais gastos do que queríamos e mais paciência do que temos. Mas depois que o trabalho é finalizado, que satisfação! Pois é a nossa casa, o lugar para onde sempre podemos voltar depois de um dia ruim.

Sabe, a nossa vida pode ser comparada a uma casa. Primeiro, é preciso erguê-la sobre bases fortes, que são os nossos valores e aquilo em que acreditamos.

Depois, vamos construindo área por área, cômodo por cômodo. E todos eles merecem atenção e zelo. Se, por exemplo, você investe todo o seu tempo para construir o cômodo profissional, é bem provável que sua família se torne só um quartinho dos fundos, mofado, sem ventilação e sem vida. E isso, um dia ou outro, irá danificar todo o resto.

Mesmo quando a casa está pronta, não podemos achar que o trabalho acabou. Sempre há algo para melhorarmos aqui ou decorarmos ali. O cuidado é diário, pois se descuidarmos, as paredes descascam e ervas daninhas crescem.

Na vida, também é assim. Sempre há o que melhorar em nosso caráter, relacionamentos e em cada pequeno canto. E se isso não acontecer, nossa vida vai desmoronando sem sequer percebermos.

E como é importante cuidar da limpeza! Jogar fora todas as coisas que estão ocupando espaço, incomodando e que não têm nenhuma serventia. Mesmo que elas estejam escondidas ou disfarçadas, livrar-se delas é a atitude mais sábia. As mágoas e ressentimentos são algumas dessas coisas. Só quando as tirarmos da nossa “casa” é que teremos espaço para o perdão e o recomeço.

Bem, nossa vida, por mais simples que seja, pode se tornar um palácio. O nosso palácio. Desde que esteja constantemente em obras. Sendo construída, reformada, melhorada, expandida e decorada com flores, bons amigos e sonhos.

Eu estou em obras. E você?
*Texto meu também publicado em Mais Viver Unimed Paulistana
Poesia

Minhas Palavras

As palavras fazem parte de mim
Com elas, expresso quem eu sou, o que penso, sinto, quero
E se quiser, posso usá-las para esconder tudo isso.

Por meio delas eu posso fazer alguém sorrir como também chorar
Posso conquistar amizades, mas também destruir relacionamentos
Posso compor músicas, escrever poesias ou cartas de despedida
Posso usá-las com verdade ou com engano
Com sabedoria ou com indiferença
Posso mostrar o que há de melhor em mim e também o que há de pior.

Mas por que as uso com frequencia para criticar e raramente para elogiar?
Por que é tão mais fácil usá-las para ofender do que para se declarar?
Por que é tão simples usá-las para acusar e tão complicado para perdoar?
Cada palavra dita é responsabilidade minha.
E para cada palavra, há muitas consequências…
Se eu não tiver cuidado, elas causarão mágoas
Se eu não tiver amor, elas causarão destruição.

E depois dessas palavras, resta-me um único desejo:
Enquanto houver voz, que as minhas palavras sejam para abençoar.

*Leia mais aqui. 
Poesia

Escolhas

Escolhas, sempre escolhas.

Quando ouço um pedido, a escolha é minha: atender ou ignorar.
Ao falar, a escolha também é minha: abençoar ou ofender.
Num dia difícil, novas escolhas: crescer ou reclamar.
Num dia triste, outras escolhas: chorar ou rebelar-se.

Posso escolher a vida ou a morte. E se opto pela vida, a escolha é passar por ela ou desfrutá-la.
Posso escolher o perdão ou a mágoa. E se opto pelo perdão, a escolha é seguir em frente ou seguir junto.
Posso escolher o desafio ou a zona de conforto. E se opto pelo desafio, a escolha é enfrentá-lo com medo ou com ousadia.
Posso escolher a fé ou a dúvida. E se opto pela fé, a escolha é fé em mim mesma ou fé em Deus.

Escolhas, sempre escolhas e a todo o momento.

O que vestir, o que comer, a que filme assistir.
Como usar meus talentos, qual caminho seguir, com quem compartilhar a vida, qual marca deixar no mundo.
Viver de lembranças, de planos ou, simplesmente, um dia de cada vez.

Tenho liberdade para escolher, mas sou presa as consequências de cada escolha.
E pior do que fazer uma escolha errada é andar na indecisão…