Poesia

Outra chance!

Confiança e Decepção. Não deveriam, mas quantas vezes essas duas palavras andam juntas.

Eu mesmo já confiei em pessoas que sequer me fizeram imaginar que poderiam decepcionar, mas que no fim, foi exatamente o que fizeram. Porque quiseram ou porque simplesmente não tiveram como evitar. Algumas pediram perdão e outras deram um sorriso sem graça, como se estivessem dizendo: “ops, deixa pra lá, isso acontece!”.

Também já confiei em situações que aparentavam serem perfeitas ou inabaláveis, mas que no fim, causaram apenas frustração e mágoa.

Em todas essas vezes que me decepcionei, a minha vontade foi fechar o coração e não voltar a confiar em mais ninguém. Mas com o tempo, percebi que essa não seria a melhor atitude e nem a mais sábia.

Eu também já decepcionei e causei dor. Mas me arrependi e tive outra chance. Então, por que ser tão dura com as pessoas que quero bem? Por que ser tão dura com a vida?

Ficar com um pezinho atrás é prudente, mas tenho aprendido que não posso construir muros. Então, apesar de todo o medo e risco, me permito confiar nas pessoas, pois como costumo dizer, a vida sempre tem pessoas e situações surpreendentes para nos apresentar!

E sempre que a decepção se fizer presente e a dúvida for “ficar ou fugir para longe”, que eu possa decidir a aprender a viver de novo. E a amar de novo!

*Post meu também publicado em Mais Viver Unimed Paulistana

Poesia

Em Obras

Quem já passou por uma construção ou reforma de casa sabe o quanto trabalho dá. É preciso fazer um bom planejamento, investir recursos, dispor tempo, comprar produtos de qualidade e escolher bem as pessoas que farão o trabalho.

Às vezes, todo o processo de construção ou reforma leva mais tempo do que imaginávamos, mais gastos do que queríamos e mais paciência do que temos. Mas depois que o trabalho é finalizado, que satisfação! Pois é a nossa casa, o lugar para onde sempre podemos voltar depois de um dia ruim.

Sabe, a nossa vida pode ser comparada a uma casa. Primeiro, é preciso erguê-la sobre bases fortes, que são os nossos valores e aquilo em que acreditamos.

Depois, vamos construindo área por área, cômodo por cômodo. E todos eles merecem atenção e zelo. Se, por exemplo, você investe todo o seu tempo para construir o cômodo profissional, é bem provável que sua família se torne só um quartinho dos fundos, mofado, sem ventilação e sem vida. E isso, um dia ou outro, irá danificar todo o resto.

Mesmo quando a casa está pronta, não podemos achar que o trabalho acabou. Sempre há algo para melhorarmos aqui ou decorarmos ali. O cuidado é diário, pois se descuidarmos, as paredes descascam e ervas daninhas crescem.

Na vida, também é assim. Sempre há o que melhorar em nosso caráter, relacionamentos e em cada pequeno canto. E se isso não acontecer, nossa vida vai desmoronando sem sequer percebermos.

E como é importante cuidar da limpeza! Jogar fora todas as coisas que estão ocupando espaço, incomodando e que não têm nenhuma serventia. Mesmo que elas estejam escondidas ou disfarçadas, livrar-se delas é a atitude mais sábia. As mágoas e ressentimentos são algumas dessas coisas. Só quando as tirarmos da nossa “casa” é que teremos espaço para o perdão e o recomeço.

Bem, nossa vida, por mais simples que seja, pode se tornar um palácio. O nosso palácio. Desde que esteja constantemente em obras. Sendo construída, reformada, melhorada, expandida e decorada com flores, bons amigos e sonhos.

Eu estou em obras. E você?
*Texto meu também publicado em Mais Viver Unimed Paulistana
Poesia

Os rumos que a vida dá

A vida está em constante movimento. Pode até ser que siga em linha reta durante um tempo, onde nos aconchegamos em nossa zona de conforto. Mas sem prévio aviso, somos surpreendidos pelo caminho. Aí, a decisão é nossa: nos fecharmos ou nos dispormos a contemplar novas paisagens!

Muitas vezes as mudanças acontecem sem nem percebermos ou querermos. São maiores do que nós e nesses momentos tentamos encontrar uma explicação: coisas do destino, do acaso, da providência divina…

Mas outras mudanças acontecem porque vimos que continuar do jeito que estava não fazia mais sentido. São as mudanças que partem de nós. A tal conversão de rota, colocar em ação o Plano B, dar uma guinada.

E haja coragem para isso! Pois é difícil deixar a “cidade grande” e ir morar no interior, mudar de profissão aos 40 anos ou pedir as contas e arriscar um próprio negócio. Exige esforço mudar um comportamento, uma opinião ou um mau hábito que nos acompanha ao longo dos anos. Mas faz parte da vida. Do movimento.

E quem já passou por isso, decidindo-se pela mudança apesar do medo ou das criticas, sabe que valeu a pena.

A vida é sim imprevisível. Dá muitas voltas, segue outros rumos e, como em contos infantis, tudo pode acontecer. E não é exatamente isso que a faz ser tão maravilhosa?

Eu tenho aprendido a dizer SIM às mudanças. E a causá-las quando isso é o melhor rumo a se tomar. Afinal, coisas surpreendentes sempre podem aparecer ao longo da jornada.

*Texto meu também publicado em Mais Viver Unimed Paulistana